Bursite de Quadril

Descrição

A Bursite é causada por uma inflamação de uma bursa (pequeno saco gelatinoso que normalmente contém uma pequena quantidade de fluído). Bursas estão localizadas por todo o corpo, sendo as mais importantes em torno do ombro, cotovelo, quadril, calcanhar e joelho. Elas atuam como almofadas entre os ossos e os tecidos moles, recobrindo-os. Além disso, ajudam a reduzir a fricção entre o deslizamento entre os tendões dos músculos e os ossos. A extremidade óssea lateral do quadril é chamada de grande trocânter, é sobre essa região que apoiamos o corpo ao dormir de lado. Este é um ponto de fixação para os músculos que movem a articulação do quadril. O trocânter possui uma bolsa sobrejacente bem grande que, ocasionalmente, torna-se irritada, resultando em bursite do quadril (bursite trocantérica). Outra bursa é localizada no lado de dentro do quadril (lado da virilha) e é chamada de bursa do tendão do músculo iliopsoas. Quando a bursa fica inflamada, essa condição algumas vezes também é referida como bursite do quadril, mas a dor está localizada na região da virilha. Esta condição não é tão comum como a bursite trocantérica, mas é tratada de uma maneira semelhante.

A00409F01.jpg

 Relação da bursa trocantérica entre a banda iliotibial eo trocânter maior.

Sintomas

O principal e mais comum sintoma da bursite do quadril é a dor lateral do quadril. A dor geralmente estende-se para porção posterior e inferior da coxa. Nos estágios iniciais, a dor é geralmente descrita como aguda e intensa e até mesmo como queimação. Mais tarde, as dores podem ser mais fortes e espalhadas, sendo mais difícil localizá-las. Normalmente, a dor é pior à noite, quando se deita sobre o quadril afetado e ao levantar de uma cadeira após um período sentado. Também pode piorar com caminhadas prolongadas, ao subir escadas ou ficar de cócoras.

Fatores de Risco

A bursite do quadril pode afetar qualquer pessoa, mas é mais comum em mulheres de meia idade e idosos. É menos comum em pessoas mais novas ou em homens. Seguem abaixo os fatores de risco que têm sido associados ao desenvolvimento de bursite do quadril:

  • Lesão por estresse repetitivo (overuse). Isso pode ocorrer durante corridas, ao subir escadas, ao andar de bicicleta ou por ficar em pé por longo período de tempo
  • Lesão no quadril. Uma lesão na extremidade do grande trocânter (porção lateral do osso do fêmur) pode ocorrer em uma queda sobre o quadril, ao batê-lo na borda de uma mesa ou ao deitar de um lado do corpo por um longo período de tempo
  • Doenças da coluna. Isto inclui escoliose, artrite da coluna lombar (inferior) e outros problemas de coluna; • Desigualdade de membros inferiores. Quando uma perna é mais curta que a outra (diferença maior que 2 cm), afeta a maneira de andar e pode levar a irritação de uma das bursas do quadril
  • A artrite reumatóide. Essa doença torna a bursa mais propensa a inflamar
  • Cirurgia anterior. Cirurgia ao redor do quadril ou implante de prótese no quadril pode irritar a bursa e causar bursite
  • Esporão ósseo ("bicos de papagaio") ou depósitos de cálcio. Pode desenvolver-se nos tendões que ligam ao trocânter, irritando a bursa e causando mais inflamação.

Diagnóstico

Para diagnosticar a bursite do quadril, o médico irá realizar um exame físico completo a procura de sensibilidade na área sobre o grande trocânter. O médico poderá realizar testes adicionais para descartar outras possíveis lesões ou doenças. Esses testes podem incluir radiografia (raios x), cintilografia óssea, tomografia computadorizada (TC) e ressonância nuclear magnética (RNM).

A00409F02.jpg

 O médico examina o trocânter maior com o paciente deitado em seu lado.

Tratamento

Tratamento não cirúrgico

O tratamento inicial para a bursite do quadril não envolve cirurgia. Muitas pessoas com bursite do quadril podem apresentar alívio com simples mudanças de estilo de vida, incluindo:

- Modificação das atividades - evitar as atividades que pioram os sintomas; - Uso de anti-inflamatórios não esteróides (AINEs) para controlar a inflamação e dor, tais como: Ibuprofeno, Naproxeno, Piroxicam, Celecoxib; - Utilização de uma bengala ou muletas durante uma semana ou, se necessário, por períodos mais longos.

Há pouca evidência para apoiar o uso da fisioterapia no tratamento de bursite do quadril, mas muitos pacientes afirmam ser extremamente útil. O médico pode pedir ao fisioterapeuta para ensiná-lo a alongar os músculos do quadril e usar outros tratamentos, como gelo, calor ou ultra-som. A injeção de corticóide com um anestésico local também pode ser útil no alívio dos sintomas de bursite do quadril. Este é um tratamento simples e eficaz que pode ser feito no consultório do médico ou em centros cirúrgicos. Trata-se de uma ou mais injeções na bursa e, normalmente, pode oferecer alívio permanente. Se a dor e inflamação retornarem, outra injeção ou duas, em meses diferentes, podem ser necessárias. A utilização de AINEs (anti-inflamatórios não esteóides; popularmente chamados de anti-inflamatórios) deve ser feita com cautela e por períodos limitados. Converse com seu médico sobre os AINEs usados. Os AINEs podem causar efeitos colaterais, por isso é importante informar ao médico certas condições médicas e o uso de outros medicamentos.

Tratamento cirúrgico

Raramente é necessário cirurgia para bursite de quadril. Se a bursa continuar inflamada e dolorida após todos os tratamentos não cirúrgicos terem sido tentados, seu médico pode recomendar a remoção cirúrgica da bursa. A remoção da bursa não fere o quadril, que poderá funcionar normalmente, mesmo sem a bursa. Uma nova técnica está ganhando popularidade que é a remoção artroscópica da bursa. Nesta técnica, a bursa é removida através de 2 ou três pequenos orifícios (1cm) sobre o quadril. Uma câmera minúscula (artroscópio) é colocada, para que o médico possa guiar os instrumentos cirúrgicos e remover a bursa. Esta cirurgia é muito menos invasiva, a recuperação é mais rápida e menos dolorosa. Os primeiros estudos mostram que a remoção artroscópica da bursa é bastante eficaz, mas isso ainda está sendo estudado. Em alguns casos, existem fatores que contribuem para a inflamação da bursa trocantérica, como a fricção exagerada do tendão do músculo tensor da fáscia lata, rupturas dos tendões dos músculos glúteos médio e mínimo e até artrose do quadril.

Reabilitação

Após a cirurgia, um curto período de reabilitação pode ser esperado, em geral em torno de 1 a 2 meses. A maioria dos pacientes relata que o uso de bengala ou muletas por alguns dias pode ser útil, em alguns casos é necessário usar muletas por mais tempo. Geralmente a dor desaparece alguns dias após a cirurgia.

Prevenção

A prevenção visa evitar condutas e atividades que tornam a inflamação da bursa pior. Alguns exemplos: - Evitar atividades repetitivas que colocam pressão sobre os quadris; - Perda de peso, se necessário; - Obter um sapato adequado para a perna de diferente comprimento; - Manter a força e a flexibilidade dos músculos do quadril.

Atenção: As informações contidas no site expressam a opinião do autor. As opiniões não tem vínculo com nenhuma instituição. As informações aqui contidas não substituem a avaliação médica. O médico não pode realizar diagnóstico e tratamento a distância ou por e-mail. Consulte um médico sobre problemas pessoais específicos.