.title-desc-wrapper .dt-published.published.post-date { display: none; }

Cirurgia de artroscopia de quadril: Quem pode? Quem deve? – Dean K. Matsuda

Esse artigo foi publicado na seção “Carta ao Editor” da revista Journal of Arthroscopy.

Nesse artigo o ortopedista Dean K. Matsuda faz uma reflexão sobre a artroscopia de quadril.

É interessante como ele coloca as opiniões, seguem alguns trechos traduzidos livremente:

Cirurgia de artroscopia de quadril: Quem pode? Quem deve?

…uma curta resposta é: muitos e…..poucos. Como o ditado “depende do lado da cerca que você está”.

Como um cirurgião, que realiza artroscopia de quadril, eu acredito que muitos “podem” fazer procedimentos avançados de artroscopia de quadril, pois nessa profissão estamos cheios de mentes brilhantes e talentosos cirurgiões. Com a melhora dos equipamentos e melhor entendimento (ambos o horizonte), dedicação sincera (para treinar), tolerância de frustrações (longa e íngreme curva de aprendizado)… muitos cirurgiões de quadril podem ser capazes de acrescentar a cirurgia artroscopica de quadril em seu repertório.

Como um paciente com impacto femoroacetabular, que já foi submetido a artroscopia de quadril bilateral, eu acho que poucos cirurgiões “deveriam” realizar artroscopia de quadril. A maioria dos “experts” concorda que as lesões labrais não são lesões isoladas, mas ocorrem em associação com deformidades ósseas (algumas vezes sutis).

Os procedimentos ósseos na artroscopia de quadril podem ser descritos de diversas formas, menos de básicos. Colocando de outra forma, a grande maioria dos pacientes provavelmente irão precisar de procedimentos avançados que um “artroscopista” iniciante não será capaz de prover.

Eu não iria querer um cirurgião tratando do meu quadril com falhas em reconhecer e detectar as patologias clínicas, radiográficas e intraoperatórias; com falta de treinamento, experiência ou habilidade para efetivamente (e com segurança) realizar esses procedimentos avançados; ou com falta de reconhecimento e integridade de informar essa realidade.

No entanto, se ao longo do caminho, nós encontrarmos cirurgiões com esforço para o aprendizado da artroscopia de quadril e ainda reconheçam que para o melhor cuidado de seus pacientes eles necessitem; ou referendar o paciente a outro médico especialista no procedimento, ou combinar com um “especialista” que seja seu mentor de forma ativa…, eu acredito que nossa profissão sai ganhando…. o que me parece bom dos dois lados da cerca. (como paciente e como cirurgião).

Meus comentários:

Ótimo artigo que demonstra o ponto de vista de um cirurgião e de um paciente sobre a mesma patologia (síndrome do impacto femoroacetabular) e tratamento (artrocopia de quadril).

Lição: Pratique, treine, estude, siga um mestre, tenha um mentor, pense no melhor para seu paciente, seja integro e honesto com seu paciente.